• Home
  • Fundação
  • A Fundação

Organização

header organizacao 

Órgãos da Fundação

a) O Patrono;

b) O Presidente;

c) O Conselho de Curadores;

d) A Direcção Geral;

e) O Conselho Fiscal;

f) A Assembleia Geral. 

 

Patrono

O Patrono da FESA – Fundação Eduardo dos Santos é o seu fundador, José Eduardo dos Santos, que exercerá estas funções vitaliciamente.

Presidência

O Presidente da FESA é nomeado pelo Patrono dentre os membros do Conselho de Curadores e exerce as suas funções por um mandato de cinco anos renováveis. Durante as suas ausências ou impedimentos, o Vice-Presidente substituirá o Presidente da Direcção da FESA.

1. Presidente - Dr. Ismael Diogo da Silva
2. Primeiro Vice-presidente - Eng.º Manuel Vicente
3. Vice Presidente Executiva – Dra. Maria Antónia Nelumba  

Conselho Fiscal

O Conselho Fiscal é composto por nove membros, designados pelo Conselho de Curadores, que entre si elegerão um presidente. O mandato dos membros do Conselho Fiscal é de cinco anos renováveis e reúne-se ordinariamente uma vez por trimestre e extraordinariamente as vezes que forem necessárias.

1.   Mota- Engil 3.    Teixeira Duarte 5.   ODEBRECHT 7.   TAAG 9.   SUNENGE
2.   Angola Telecom 4.    Dar Al Handasah 6.   ENDIAMA 8.   TEXACO  

Conselho de Curadores

O Conselho de Curadores é um órgão consultivo ao qual cabe emitir parecer sobre as orientações genéricas que presidem a actividade da Fundação e sobre todas outras questões que careçam de parecer e opiniões deste órgão consultivo. O Conselho de Curadores é composto por 51 membros que se reúnem ordinariamente 4 vezes por ano e extraordinariamente as vezes que forem necessárias.

1.   Ismael Diogo da Silva 11. Manuel da Silva 21. Manuel Rodrigues 31. António Bastos Dias 41. Ananaias Gomes
2.   Manuel Vicente 12. Nelson Cosme 22. Roberto Webba 32. Manuel Mariano 42. Felino Job
3.   Maria Antónia Nelumba 13. Luísa Grilo 23. Virgílio Belo 33. Tomas Ana Etona 43. Natividade Augusto
4.   João Gomes Pereira 14. Jorge Gumbe 24. Rodrigo Santos 34. Francisco Fernandes 44. Landu Nsimba
5.   António Pinto 15. Mateus Neto 25. Eduardo Magalhães 35. Joaquim Duarte 45. Manuel Samba
6.   Francisco Fortunato 16. Paulina Semedo 26. Ramiro Matos 36. Rosa Correia Victor 46. João Fernando
7.   Puna Zau 17. Paula Figueiredo 27. Esperança Costa 37. Belarmino Van-Duném 47. Mateus Tchioleca
8.   Ana Paula Almeida 18. Maria Lúcia Furtado 28. Walter Filipe Duarte 38. Alberto F. David  48. Maria Manuela Matias
9.   Rikkie Viholm 19. Rosa Morgado 29. José Januário 39. Benedito dos S. Mupinga 49. Verónica Rito
10. António Maurício 20. David Júnior 30. Ana Inglês 40. Pedro Tchissanga 50. Anastácio Sambowé
        51. Filipe Mascarenhas

Direcção Geral

A direcção geral é órgão executivo da Fundação sendo integrado por cinco membros, dentre os quais um é o director geral. O mandato dos membros da Direcção Geral é de cinco anos renováveis por igual período e reúne-se ordinariamente uma vez por mês e extraordinariamente as vezes que forem necessárias.

1. João de Deus Gomes Pereira Director Geral da FESA
2. Joaquim Duarte Gomes Director Adjunto para área de Estudos e Projectos
   
   

Assembleia Geral

A Assembleia Geral é o órgão de consulta e de apoio da Fundação e é integrada por:

  1. Doadores pessoas físicas e representantes indicados pelos doadores pessoas jurídicas e subscritores da escritura da constituição;
  2. Pessoas físicas e o representante das pessoas jurídicas que na vigência do presente estatuto fizeram doação não inferior ao valor mínimo estipulado pelo Conselho de Curadores. A Assembleia Geral reúne-se ordinariamente duas vezes por ano e extraordinariamente as vezes que forem necessárias.
1.   Angola Telecom 8.    Plátano 15. Banco de Fomento Angola 22. SOPROMIL
2.   TEXACO 9.    TAAG 16. SICCAL 23. Ismael Diogo da Silva
3.   Azinor 10.  Odebrecht 17. Fundação Gauff 24. Manuel Domingos Vicente
4.   BCI 11.  Teixeira Duarte 18. SOMAGUE 25. João Silva Neto
5.   ENDIAMA 12. Dar al Handasah 19. Grupo GBE 26. Mankenda Ambroise
6.   LR Avionics 13. SONANGOL 20. SUNENGE 27. Rikkie Viholm
7.   Mota Engil 14. Soares da Costa 21. Belo Empreendimentos 28. Pinda Simão
      29. Sita José

 

 

Distinções

Scan0008Em reconhecimento da sua participação na luta armada e de libertação, a Universidade de Moscovo distingue José Eduardo dos Santos, em 1969, com a medalha "Patrice Lumumba". A Fundação "Palmares", uma instituição governamental brasileira atribuiu-lhe a medalha de ouro "Zumbi dos palmares", a 20 de Novembro de 1989. A Assembleia do  Povo, na nona sessão e última em regime monopartidário, em 20 de Março de 1991, distinguiu José Eduardo dos Santos com a máxima distinção do Estado angolano, a "ordem Agostinho Neto".

Em 29 de Abril de 1993, em reconhecimento aos seus Esforços em prol de uma "Angola democrática, livre e pacífica", o instituto nacional norte-americano da liberdade "National Freedom Institute, INC" distingue-o com um certificado.

A Comissão Nacional para a Justiça Racial da Igreja Unida de Cristo dos Estados Unidos agracia-lhe, em Dezembro de 1991, com a Medalha "National Racial Justice", em reconhecimento a sua contribuição para a paz na região austral e África, independência da  Namíbia e o processo de reformas políticas e para abolição do sistema racial na África do Sul.

Em 21 de Março de 1995, San Nujoma, presidente da Namíbia, condecora José Eduardo dos Santos com a ordem "Welwitchia" de Primeiro Grau e recebe do seu homólogo Omar Bongo a medalha "Grande Cruz da Ordem Nacional", em 10 de Agosto, no Gabão.

A universidade federal do Brasil autorgou-lhe, em 18 de Agosto, título de Doutor "Honoris Causa" e de Comenda  do Visconde de  Maua, em reconhecimento a ajuda dada para a derrota do regime racista sul-africano e o sistema do apartheid.

Dos santos é co-fundador da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP). O acto correu no Centro Cultural de Belém, Portugal, em 15 de Julho de 1996. Nesse ano é distinguido com o prémio "Galax", distinção atribuída a políticos notáveis, e com o colar da ordem de "Santiago de Espanha", entregue por Mário Soares, ex- Presidente português.

Pelo seu contributo na conservação da fauna angolana, recebeu a "medalha de ouro do conselho internacional de conservação da vida selvagem", em 1997.

A 29 de Agosto de 1998, a Universidade brasileira de Iguaçu atribuiu-lhe o título de doutor "Honoris Causa" e a de Mérito Comendador da Ordem José Bonifácio, da Universidade Estadual do Rio de Janeiro. Durante a Realização do IV congresso do MPLA, em 1998, confirmou-o na liderança do partido, em 1998.

Biografia

1518 chamada 01fec40ede36441549470a60783372fabrNjQweDM0Mw

JOSÉ EDUARDO DOS SANTOS, nasceu em Luanda, no dia 28 de Agosto de 1942, filho de Eduardo Avelino dos Santos e de Jacinta José Paulino.

Foi baptizado na Pároquia de São Paulo, em Luanda no dia 28 de Março de 1948. Frequentou a Escola Primária da Missão de São Paulo e da Igreja Metodista e fez o ensino Secundário em Luanda, no Liceu Salvador Correia.

Licenciou-se, em 1969, em Engenharia de Petróleos no Instituto de Petróleos e Gás de Baku (na antiga União Soviética).

É casado desde 17 de Maio de 1991 com Ana Paula dos Santos.

Músico, Compositor, Desportista, amante de Literatura. Ainda hoje, dedica-se à prática de desporto e procura ler todos os livros publicados referentes a Angola, desde o romance ao ensaio.

Em 1998, José Eduardo dos Santos revelou-se um estadista à altura do momento delicado que o país atravessava, por não ter recorrido ao estado de sítio ou de emergência, mantendo em funcionamento todas as instituições democráticas do país e assegurando assim os direitos, as liberdades e as garantias dos cidadãos.

Graças à implementação de um programa multilateral de resistência nacional contra a guerra, de sua inciativa, a República de Angola alcançou, finalmente, a Paz formalizada numa cerimónia que teve lugar em Luanda no dia 4 de Abril de 2002.

Tem-se vindo a destacar na consolidação da CPLP na qual assumiu a Presidência no período de 2010 a 2012. Esteve igualmente à frente dos destinos da SADC no período de 2002 á 2003 e de 2011 à 2012, conferindo uma dinâmica à organização regional, unanimemente reconhecida e assume de momento a Presidência da Conferência Internacional da Região dos Grandes Lagos.

Deve-se ainda a JOSÉ EDUARDO DOS SANTOS a grande viragem da economia angolana quando através de programas de estabilização macro-económicos, se conseguiu alcançar uma significativa redução da inflação e consequente estabilização dos preços e da moeda nacional.

Paralelamente, empreendeu a reconstrução das infra-estruturas económico-sociais e a criação de sinergias para o crescimento do país rumo ao desenvolvimento assente no relançamento da produção nacional fundado na diversificação da economia através de incentivos não petrolíferos.

No dia 7 de Setembro de 2012, JOSÉ EDUARDO DOS SANTOS, foi proclamado Presidente da República de Angola em virtude dos resultados das Eleições Gerais de 31 de Agosto de 2012, tendo sido empossado nestas funções em 17 de Outubro do mesmo ano.

Informação Institucional

header institucional

A FESA disponibiliza para conhecimento do público em geral os documentos que dizem respeito aos Estatutos da Fundação, ao Plano Estratégico em vigor e os Relatórios Anuais de Actividade.

 

Estatutos

 

No início do ano de 2009 concluiu-se o processo de revisão dos estatutos da Fundação, cujo objectivo foi adequar a FESA às necessidades do momento e colocá-la a par das tendências do Terceiro Sector a nível nacional. Os novos Estatutos apresentam melhorias na sua estrutura, e como alterações de fundo destaca-se a incorporação de um papel mais directo e activo do Patrono na condução dos destinos da Fundação, prevê para o Conselho de Curadores o aumento para 51 membros, e extingue a Comissão Permanente e passa para a Assembleia-Geral, os subscritores da Acta de Constituição.

 

 1418338339 647716 pdf 16 

 Estatuto da Fundação Eduardo dos Santos

 

Plano Estratégico

As orientações expressas pelo Patrono da FESA em 2010, por ocasião da tomada de posse dos Novos Órgãos Sociais da Fundação, serviram de guião para o desencadear de todas as acções que a FESA se propôs realizar no período 2011 - 2015. Para o período 2011-2015 a FESA definiu assim como principais eixos de actuação o reforço institucional, a integração de grupos-alvo, a promoção de parcerias e o reforço da cooperação.

 

 Relatórios Anuais de Actividades

1418338339 647716 pdf 16   Relatório de Actividades 1997
1418338339 647716 pdf 16   Relatório de Actividades 1998
1418338339 647716 pdf 16   Relatório de Actividades 2000
1418338339 647716 pdf 16   Relatório de Actividades 2001
1418338339 647716 pdf 16   Relatório de Actividades 2002
1418338339 647716 pdf 16   Relatório de Actividades 2003
1418338339 647716 pdf 16   Relatório de Actividades 2004
1418338339 647716 pdf 16   Relatório de Actividades 2005
1418338339 647716 pdf 16  

Relatório de Actividades 2007

1418338339 647716 pdf 16   Relatório de Actividades 2008
1418338339 647716 pdf 16  

Relatório de Actividades 2009

1418338339 647716 pdf 16  

Relatório de Actividades 2010 e 2011

1418338339 647716 pdf 16  

Relatório de Actividades 2012

1418338339 647716 pdf 16   Relatório de Actividades 2013
1418338339 647716 pdf 16   Relatório de Actividades 2014
1418338339 647716 pdf 16   Relatório de Actividades 2015

Missão e Valores

header missaoevalores01

A FESA rege-se por um conjunto de valores que reflectem a missão e a visão da Fundação num país em constante desenvolvimento. A missão da FESA reflecte a sua razão de ser e a finalidade para a qual toda a organização está a funcionar. A concretização da missão da Fundação pressupõe o respeito por valores e princípios que identificam a nossa organização e definem de uma forma estável a maneira de actuar e de se relacionar com as partes interessadas.

Desde o seu surgimento a FESA primou sempre pela excelência em todas as áreas de actividade. No início, o nosso principal foco era fazer chegar assistência às milhares de famílias angolanas, que careciam de tudo um pouco. Trabalhamos estreitamente como as entidades públicas para assistir os segmentos mais desfavorecidos da população, com bens de primeira necessidade, e garantir o acesso a assistência médica e medicamentosa, a educação e ensino.

Em tempos de paz e vencida também a fase da recuperação de infra-estruturas e relançamento da economia, mantemo-nos focados no bem-estar das famílias angolanas e no desenvolvimento socioeconómico do país.

As nossas acções estão agora mais voltadas para a inclusão social e a qualificação técnico-científica dos recursos humanos, requisito indispensável para construção de uma Angola forte e bem inserida na região e internacionalmente.

 

valores1

 

Mais artigos...

BIGtheme.net Joomla 3.3 Templates